Perquisar Notícias

18.02.2019 | Produtos

Glaucoma, principal causa de cegueira no mundo, tem novo medicamento como aliado de tratamento

Após o diagnóstico da doença, ocorre a dificuldade de adesão ao tratamento por parte do paciente, que na sua maioria é feito com o uso contínuo de colírios, por vezes em frascos diferentes, dificultando o cumprimento do regime de tratamento.
 
Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) e médica oftalmologista, Wilma Lelis, a aderência do colírio se torna cada vez mais problemática à medida que os portadores da doença se deparam com o uso de mais de um frasco somado a fatores que podem aumentar a dificuldade de manuseio, como a idade avançada e confusão na identificação de frascos.
 
“Apesar de ser uma conduta simples, o uso do colírio é bastante negligenciado pela população, não apenas em relação à necessidade de uso regular da medicação, mas da quantidade de doses diárias e maneira de instilar o medicamento sem que seja desperdiçado. O problema tende a aumentar em pacientes idosos, com mais dificuldades de memorização sobre horários em virtude de já usarem outros medicamentos, e pelas dificuldades motoras, temores, entre outros”, relata Dra. Wilma.
 
Identificando o problema e em busca da solução, a indústria farmacêutica pesquisou novas maneiras de levar a estes pacientes um novo medicamento que pode facilitar a aderência ao tratamento e indicado para redução da pressão intraocular (PIO) em pacientes com glaucoma de ângulo aberto ou hipertensão ocular que requerem o uso de terapia combinada para o controle da PIO. O novo fármaco, desenvolvido pela farmacêutica Allergan, e de nome TRIPLENEX®, apresenta uma tripla combinação de ativos (bimatoprosta, tartarato de brimonidina e maleato de timolol), concentrando em um único frasco a composição necessária para o tratamento.
 
O medicamento atua de duas formas: diminui a produção do humor aquoso e melhora seu escoamento. Com isso, a pressão ocular é reduzida, restabelecendo-se uma situação de normalidade para os olhos.  
 
Embora existam diversos tipos de glaucoma, que podem atingir pessoas de qualquer idade, o aumento da prevalência da doença se dá a partir dos 40 anos de idade³. Com evolução “silenciosa”, podendo evoluir para perda progressiva e irreversível do campo de visão quando não tratado.
 
 O oftalmologista membro da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) e Chefe do Setor de Glaucoma da UNICAMP, Dr. Vital Paulino Costa, lembra que o glaucoma é assintomático e que a única maneira de evitar a cegueira causada pela doença é realizar o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento imediato. Por ser uma doença crônica, sem cura, é importante ter o controle através das visitas ao médico, nas quais o oftalmologista observa se a pressão intraocular está sob controle e se os exames do campo de visão e do nervo óptico permanecem estáveis. 
 
“Se a população se conscientizar sobre a importância de ir ao oftalmologista regularmente, especialmente os indivíduos sob maior risco (idosos, negros, com história familiar de glaucoma e míopes), estaremos dando um passo importante. Finalmente, se pudermos aliar o diagnóstico precoce à utilização de medicamentos que sejam eficazes e que ofereçam maior conforto ao paciente (menos efeitos colaterais em um menor número de doses por dia), seguramente diminuiremos os índices de cegueira por glaucoma na população”, relata o médico.
 
Por dentro do TRIPLENEX®
 
Solução de uso oftálmico constituída pela combinação de três ativos – bimatoprosta (da classe das prostamidas), tartarato de brimonidina (um agonista do receptor alfa-2-adrenérgico) e maleato de timolol (um antagonista do receptor beta-adrenérgico) – com o objetivo de reduzir a pressão intraocular em pacientes com glaucoma de ângulo aberto ou hipertensão ocular que requerem o uso de terapia combinada para o controle da PIO.
 
A dose recomendada é de 01 gota aplicada nos olhos afetados, duas vezes ao dia, sem encostar a ponta do frasco nos olhos ou em outra superfície para evitar contaminação do frasco e do colírio.
 
Quando mais de um medicamento oftálmico estiver sendo utilizado pelo paciente, deve ser respeitado o intervalo de pelo menos 5 minutos entre a administração dos medicamentos.
 
 
Consulte a bula, aqui.
 
*Venda sob prescrição médica | Reg. ANVISA/MS – 1.0147.0186
Relações Públicas – Allergan

Investor relations: